Troca de óleo: conheça 8 mitos e verdades - Blog Cavese Scania - Tudo sobre o seu caminhão
Troca de óleo: conheça 8 mitos e verdades

Para ser um motorista profissional, ter habilidades ao volante e conhecer as leis de trânsito são práticas essenciais. Mas você também não pode se esquecer de cuidar da conservação do caminhão e fazer a manutenção de itens básicos, como fazer a troca de óleo.

Responsável por lubrificar peças e diminuir o atrito entre elas, o óleo garante o bom funcionamento do motor e contribui para um melhor desempenho do veículo nas estradas. Sem ele, o caminhão pode apresentar diversos problemas, como maior consumo de combustível e até danos sérios no motor.

Então, tem dúvidas sobre a troca de óleo? Leia este post até o fim e confira 8 mitos e verdades sobre o assunto para não tomar nenhuma decisão errada na hora de cuidar da sua frota!

1. “Óleos sintéticos ou semissintéticos não podem ser misturados aos lubrificantes minerais”

Mito. Cada tipo de óleo tem uma formulação específica para os diferentes tipos de veículos, logo, o ideal é que o seu caminhão receba apenas o produto recomendado pelo fabricante.

Se você está na estrada e ocorreu uma emergência com o motor, sendo impossível encontrar o mesmo tipo de lubrificante usado anteriormente, é possível misturar um produto sintético ou semissintético com um mineral.

Contudo, essa prática só é recomendada em casos de imprevistos ou extrema necessidade, pois o veículo pode sofrer com alguns danos caso haja grande diferença de viscosidade e aditivação entre os produtos.

2. “Os aditivos presentes no lubrificante são suficientes para o veículo”

Verdade. Todos os lubrificantes, desde que sejam originais e de qualidade, são fabricados com a quantidade de aditivos ideais para cumprir suas funções no veículo.

Já os produtos avulsos, ainda que populares e muito comercializados no mercado, não são indicados pelos especialistas. Eles podem desequilibrar a formulação do óleo e fazer com que ele não funcione bem, contribuindo para o surgimento de borra no motor e deixando a lubrificação ineficiente.

3. “O filtro deve sempre ser trocado junto com o óleo”

Mito. Apesar de ser uma prática comum entre mecânicos e caminhoneiros, não existe nenhuma orientação que afirme que a troca do filtro deva ser feita com a do óleo do motor.

O mais indicado é que o filtro seja trocado de acordo com a periodicidade prevista no manual do fabricante do veículo. Trocando desnecessariamente o item, o único resultado que você vai conseguir é gastar mais do que deveria.

4. “Existe diferença entre óleos de veículos diferentes”

Verdade. Cada tipo de veículo tem um óleo com especificações diferentes, que deve ser utilizado no dia a dia. Um lubrificante de motocicleta, por exemplo, vai apresentar uma aditivação diferenciada das que o seu caminhão precisa, assim como outra viscosidade.

Logo, quando se usa um óleo que não é adequado para o seu veículo, isso pode causar diversos problemas no futuro, e comprometer o rendimento da sua frota, como um todo.

5. “O óleo pode ser usado por muitos anos e nunca fica velho”

Mito. Como os outros fluidos presentes no caminhão, o óleo do motor não dura para sempre, pois vai perdendo suas propriedades.

Quanto mais o veículo é usado, mais o óleo vai se oxidando devido ao contato constante com o calor do motor e do oxigênio. O produto ainda pode ser contaminado por outras impurezas ao longo do tempo, o que também faz com que ele perca suas propriedades.

Além disso, fique atento: se o lubrificante ganhou uma coloração preta, nem sempre isso quer dizer que ele está velho; pode dizer também que ele está cumprindo suas funções e que limpou o motor corretamente.

6. “Seguir a indicação do fabricante é a melhor opção”

Verdade. Depois de tudo o que você leu até aqui, já deu pra perceber que o lubrificante indicado pelo fabricante do caminhão é a melhor escolha no dia a dia, certo? Afinal, ele vai trazer a viscosidade e o APIC/ACEA que o seu veículo precisa.

A viscosidade do produto pode ser identificada na própria embalagem, que é regulamentada pela Sociedade de Engenharia Automotiva (SAE) e apresenta uma numeração referente ao comportamento do óleo. Quanto maior for a numeração, mais viscosidade e resistência à temperatura o óleo vai apresentar.

Já o API/ACEA diz respeito ao desempenho do produto relacionado ao pacote de aditivos.

7. “O óleo só deve ser trocado depois de 10 mil quilômetros rodados”

Mito. No geral, a troca de óleo é recomendada depois que o caminhão percorreu 10 mil quilômetros, mas esse número pode variar muito de uma versão para outra.

A forma como o caminhão é usado também pode interferir no tempo em que o óleo deve ser trocado. Se você dirige em áreas urbanas, por exemplo, pode precisar fazer a troca antes do período recomendado.

Assim, o mais indicado é que você verifique as indicações do fabricante no manual do veículo para saber qual é a quilometragem de troca recomendada, fazendo também uma avaliação com profissionais especializados.

8. “O nível do óleo nunca deve ser completado com um produto de outra marca”

Mito. Se você já ouviu essa afirmação, saiba que ela é mais um mito popular entre os caminhoneiros. Ainda assim, merece ressalvas.

Completar o nível de óleo com um produto diferente é uma prática permitida, mas você deve levar em consideração diversos aspectos importantes, como as recomendações do fabricante, qual é o lubrificante recomendado para seu veículo e as características de viscosidade e desempenho.

Caso você não confira esses detalhes, as propriedades do óleo podem ser alteradas e o motor pode perder eficiência — além de o caminhão começar a consumir mais combustível. Por isso, você até pode usar um produto de outra marca, mas o ideal é completar o óleo apenas com o mesmo produto original.

Enfim, com tudo isso em mente, fica mais fácil trocar o óleo dos caminhões de sua frota e evitar possíveis problemas no futuro, certo?

Não se esqueça de fazer a manutenção preventiva dos veículos e, além de trocar o óleo, conferir se todos os equipamentos e acessórios estão funcionando da melhor forma possível!

Então, gostou do nosso post? Agora que já viu estes 8 mitos e verdades sobre a troca de óleo, aproveite para compartilhá-las com seus amigos nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *